"A arte existe para que a realidade não nos destrua." Friedrich Nietzsche



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Kind ohne Vater



Tradução: Menina sem pai
    “(...) porque metade de mim é a lembrança do que fui /a outra metade não sei”.  O. Montenegro            

O tempo é frágil
como as asas de um anjo.
Em instantes, talvez, não sei.
Milênios, metáforas
pairam, de repente, confundidos
numa linha tênue onde
o obscuro cintila e escorre
por entre nervos
à flor da pele.

Tua inexistência grita comigo,
surra-me, fere-me, arde-me.
Tenho êxtase de ti.
De mim sou toda ecos.
Tenho apenas saudade
e algumas migalhas
de tempo.
De ti sou toda mar

de estranho amor.

2 comentários:

Fabíola Ramos disse...

Sua palavra, Karoline Serpa, acalma minha'alma enriquecendo assim meu ser.

Karoline Serpa disse...

É porque tens a alma perfumada, sensível à poesia. Fico feliz por acalmar sua alma com minha humilde poesia. Obrigada pela visita! Beijo grande! Karoline Serpa